Filhotes e cães jovens correm o maior risco de contrair parvo.

Parvo é o termo abreviado para o parvovírus canino, uma doença viral grave que afeta cães. A doença afeta mais comumente cachorros e cães jovens, mas animais de todas as idades podem ser infectados. Normalmente, os piores efeitos são nos intestinos, causando vômito e diarreia que geralmente é sangrenta, mas também afeta a medula óssea e pode causar danos ao coração, causando falhas. A doença é freqüentemente, embora nem sempre, fatal. Parvo é o vírus letal mais comum conhecido por afetar cães, mas pode ser prevenido com uma vacina.

Fontes de infecção

Um cão que apresentar qualquer um dos sintomas parvo, incluindo diarréia, perda de apetite ou letargia, deve ser levado imediatamente ao veterinário.

O vírus se espalha pelas fezes e vômitos de cães infectados. É extremamente contagioso, mas não é necessário o contato direto com outros cães, pois pode ser encontrado em praticamente todos os lugares. Animais infectados liberam grandes quantidades do vírus, que pode viver semanas ou meses em áreas onde fezes ou vômito de cães infectados foram depositados. À medida que esses produtos corporais se decompõem, o vírus se espalha e pode ser transportado por humanos em sapatos, roupas e pele, e por outros animais. Portanto, ele pode ser encontrado em casas e jardins, e os cães podem ser infectados sem chegar perto de outro animal.

Efeitos e sintomas

Parvo é transmitido pelas fezes e vômito de cães infectados.

O parvovírus canino tende a infectar células que se dividem com frequência, como as das paredes do intestino, da medula óssea e dos gânglios linfáticos. Os primeiros sintomas geralmente aparecem após um período de incubação de três a sete dias. Durante esse tempo, o vírus se multiplica nos gânglios linfáticos da garganta sem causar nenhum sintoma. Depois de alguns dias, um grande número entra na corrente sanguínea e infecta as células imunológicas da medula óssea, reduzindo a resposta imunológica do cão e deixando as células da parede intestinal vulneráveis ​​a ataques.

A vacina parvo é sugerida porque protege os cães do vírus parvo.

Uma vez que esta infecção impede a regeneração das células na parede intestinal, um cão com parvo será amplamente incapaz de absorver os nutrientes dos alimentos e sofrerá de diarreia severa, resultando em desidratação. Outras complicações são a perda de sangue devido a danos na parede intestinal e os efeitos de toxinas produzidas por bactérias, normalmente confinadas ao intestino, que entraram na corrente sanguínea. O coração também pode ser afetado. Os sintomas iniciais da doença são letargia e perda de apetite, seguidos de febre, diarreia e vômitos.

Diagnóstico

Parvo é o termo coloquial para parvovírus canino.

Um cão que apresentar algum desses sintomas deve ser levado ao veterinário sem demora, porque se não for tratada, a doença às vezes pode matar em 24 horas. Felizmente, existe um teste rápido, simples e bastante preciso usando uma amostra de fezes que geralmente pode detectar a presença do vírus. Isso pode ser combinado com um exame de sangue para verificar se há uma contagem baixa de glóbulos brancos. Se ambos derem positivo, parvo é a causa provável.

Tratamento

Como a maioria das infecções virais, não existem medicamentos eficazes na eliminação do vírus em si, embora possam ser administrados antibióticos para combater bactérias do intestino que entraram na corrente sanguínea. Caso contrário, o tratamento concentra-se em aliviar o pior dos efeitos até que a doença termine. Para combater a desidratação e a incapacidade de absorver a comida pelo intestino, o cão pode receber líquidos e nutrientes por gotejamento intravenoso, embora esse tratamento nem sempre seja bem-sucedido.

Prevenção

There is no practical way of preventing a dog from coming into contact with parvovirus. Parvo is unusually resilient, and it can survive harsh conditions in the open air and also contact with most household cleaners. Strong bleach will kill it, but there is little that can be done about virus particles in gardens, parks, or other outdoor areas.

The most important preventative measure is vaccination. This is part of routine veterinary vaccinations recommended for all puppies and dogs. It is generally administered around six weeks, re-administered three to four additional times before the dog is a year old, and annually after that. With the proper vaccination, the dog will be protected from the virus, but any pet owner who believes that his unprotected dog has contracted this disease or knows it has been exposed to it should consult a veterinarian. People who have a dog without vaccination records or who are unsure of its medical history should take it to a veterinarian for examination.