A sopa ou caldo primordial é uma hipotética mistura de substâncias e condições que ocorreram na atmosfera e na superfície terrestre antes do surgimento da vida no planeta e que permitiram seu desenvolvimento a partir de materiais inertes . É uma das teorias científicas mais plausíveis sobre a origem da vida na Terra, embora ainda pareça haver um longo caminho a percorrer para saber exatamente como a vida surge de sua inexistência.

Teoria da sopa primordial

Segundo a teoria da sopa primordial, o processo de abiogênese ocorrido na Terra há bilhões de anos seria explicado por meio de reações físicas e químicas que deram origem aos primeiros compostos orgânicos a partir de compostos inorgânicos. Esses primeiros compostos orgânicos, mesmo considerados inertes ou não vivos, acumularam-se nos primeiros oceanos e corpos d’água, formando a chamada “sopa” ou “caldo” primordial , também chamada de sopa prebiótica, primitiva, primal ou nutritiva.

Na sopa primordial, moléculas orgânicas simples reagiam umas com as outras para formar moléculas cada vez mais complexas, incluindo ácidos nucléicos e proteínas , considerados os dois tipos de substâncias fundamentais nos diferentes componentes estruturais e funcionais de todos os organismos terrestres vivos.

Essas moléculas começariam a se somar em algum ponto para formar o que seria a primeira forma de vida, capaz de ser conservada e autorreplicada . Esse processo teria se iniciado entre 4.410 milhões de anos atrás, quando os primeiros mares e oceanos se formaram , e entre 4.280 e 3.770 milhões de anos, data a partir da qual datam os mais antigos sinais de vida conhecidos.

Darwin já intuiu essa teoria em 1871, quando falou do ” pequeno lago quente ” em uma carta escrita a seu amigo Joseph Dalton Hooker. Mas a primeira teoria da sopa primordial é atribuída ao bioquímico soviético Alexander Oparin em 1924. A mesma ideia foi desenvolvida pelo cientista inglês John Sanderson Haldane em 1929 de forma independente. Assim, a teoria da sopa primordial também é conhecida como hipótese Oparin-Haldane , cujos principais postulados são:

  1. A atmosfera primitiva estava se reduzindo .
  2. Essa atmosfera estava sujeita a várias formas de energia, como altas temperaturas e fortes descargas elétricas , que promoviam a formação de compostos orgânicos simples ou monômeros .
  3. Esses compostos simples se acumularam em uma “sopa” nos primeiros mares e oceanos , provavelmente com concentrações mais altas em certas áreas, por exemplo, ao longo da costa, praias, ventos e assim por diante.
  4. Compostos orgânicos simples estavam se combinando para formar polímeros mais complexos dos quais a vida surgiu.

Condições e composição da sopa primordial

As condições na Terra em seus primeiros anos eram muito diferentes do que são agora. A atmosfera mal continha oxigênio, pelo contrário, era uma atmosfera fortemente redutora cheia de hidrogênio, metano, amônia e vapor d’água .

Quando a temperatura caiu o suficiente para permitir que a água permanecesse em um estado líquido estável, essas substâncias foram transportadas pela chuva para os mares e oceanos, onde se combinariam para formar aminoácidos e outras substâncias orgânicas que eventualmente dariam origem à vida. milhões de anos depois.

Para que essas primeiras moléculas orgânicas se formassem, era necessária a presença de algum tipo de catalisador. Algumas pesquisas sugerem que os principais catalisadores eram o calor e as descargas elétricas, muito abundantes na atmosfera daquela época.

A primeira demonstração experimental de que essa teoria poderia ser válida é o experimento de Stanley Miller e seu professor Harold Urey , realizado em 1953. Eles misturaram água e vários gases altamente redutores: metano, amônia e hidrogênio. Eles aplicaram choques elétricos e os aminoácidos se formaram em cerca de uma semana .

Experimento de Stanley Miller

O próximo experimento mais importante para apoiar a teoria da sopa primordial foi realizado por Joan Oró em 1961. A formação de adenina , uma base púrica que faz parte dos ácidos nucléicos, foi obtida a partir de uma mistura aquosa de cianeto de amônio.

Porém, esses experimentos não mostram que foi isso que aconteceu para a vida surgir, uma vez que as condições aplicadas em laboratório certamente nada têm a ver com as condições reais que ocorreram na Terra. O que esses experimentos demonstram é a possibilidade, e também a facilidade, de formar moléculas orgânicas comuns em organismos vivos a partir de substâncias inorgânicas.

Essas primeiras substâncias orgânicas poderiam ter se acumulado em filmes hidrofóbicos ou oleosos em praias e bancos de areia, onde formariam moléculas cada vez mais complexas até que as primeiras moléculas parecessem ter uma função bioquímica. Em algum ponto, essas moléculas adquiriram a capacidade de se auto-replicar até que a primeira forma de vida apareceu nessa sopa primitiva.

A evolução e a seleção natural fariam o resto para gerar toda a diversidade da vida no planeta, incluindo, é claro, a espécie humana e nossos ancestrais.