No domínio das finanças , o documento que permite a representação de um título ou dívida pública é denominado título . Os títulos públicos , na verdade, são os instrumentos financeiros que representam a dívida que algum organismo do Estado emite .

Isso significa que os títulos públicos podem estar vinculados à dívida emitida por um Estado nacional, um Estado regional (provincial, departamental, etc.) ou um município, entre outras dependências político-administrativas que dependem de cada país.
O título público pode ser entendido como promessa de pagamento . Quem emite o título público assume o compromisso de devolver os fundos emprestados juntamente com os juros acordados e nos prazos estabelecidos. Um investidor, por exemplo, pode adquirir um título público no valor de 50.000 pesos que, no vencimento, concede juros de 5% . O Estado que emitiu o título público, portanto, está obrigado a pagar a quantia correspondente uma vez que o título expire.

É importante lembrar que a emissão de títulos públicos é um dos mecanismos de que o Estado dispõe para obter recursos e financiar suas atividades. A emissão de dinheiro, o pedido de crédito em organismos internacionais e o aumento ou criação de impostos são outras opções.
Além das informações que prestamos, é importante saber que o Estado pode emitir títulos públicos por diversos motivos, entre os quais se destacam:

-O dinheiro que arrecada por meio de impostos não chega para cobrir todas as despesas que tem.

-É uma medida que pode adotar para levar a cabo o que é uma parte importante da sua política monetária.

-É a forma que encontra para poder financiar determinados projetos de infraestruturas que não pode apoiar de outra forma.
Pelas suas características, a aquisição de títulos públicos costuma ser considerada um investimento de baixo risco, uma vez que os Estados costumam ser solventes e o lucro é assegurado enquanto o investidor mantiver o título. Em qualquer caso, existe a possibilidade de alienação do título público no mercado de capitais antes do seu vencimento.
A todas as informações que apresentámos até agora, vale a pena acrescentar outra, que se refere ao facto de os títulos públicos poderem ser classificados em diferentes grupos e tipos com base em diversos critérios:

-De acordo com a moeda de quem os emite, existem moeda nacional ou estrangeira.

-Com base na hierarquia de seu emissor, podem ser agrupados em municipais, provinciais e nacionais.

-A partir do que é a forma de colocação, existem as obrigatórias e as voluntárias.

-Se partirmos de qual é o prazo em que vão proceder ao cancelamento, temos os de curto prazo, que são aqueles que não terão uma duração superior a um exercício orçamental; médio prazo, que são aqueles que serão cancelados em um período entre 3 a 5 anos orçamentários, ou longo prazo, que são aqueles que durarão mais de 5 anos orçamentários.

-Dependendo da sua natureza, podem ser dívida interna ou dívida externa.