Variações em cohchas de coquina

O fenótipo é definido como o conjunto de características observáveis que um organismo desenvolve e é o resultado da expressão genética em combinação com fatores ambientais e seus efeitos no próprio organismo.

A contribuição dos genes e do ambiente em uma determinada característica fenotípica nem sempre é fácil de determinar, mas às vezes uma relação clara entre algumas características fenotípicas e certas condições ambientais pode ser observada sem ser determinada pela informação genética . Essas características são conhecidas como ecofenótipo ou variações ecofenotípicas .

O ecofenótipo surge como consequência de adaptações ao meio ambiente, mas ao contrário de outras características fenotípicas, não são adaptações genéticas nem hereditárias .

Alguns exemplos bastante óbvios de variações ecofenotípicas podem ser encontrados entre as plantas. Um deles pode ser o crescimento de uma árvore em uma floresta e o crescimento da mesma espécie em um espaço aberto. O primeiro desenvolveria um tronco longo com ramificação na copa e o segundo cresceria com maior expansão e ramificação próximo ao solo.

Outro exemplo pode ser encontrado na madressilva (gênero Lonicera ). Essas plantas apresentam alta plasticidade morfológica dependendo das condições ambientais, o que tem sido relacionado à sua grande capacidade de colonização e invasão de diversos tipos de habitats: as variações ecofenotípicas ofereceriam vantagens competitivas sobre as espécies nativas .

A plasticidade morfológica dos animais é muito menor do que a das plantas, mas exemplos de ecofenótipos óbvios também podem ser encontrados. Em moluscos, como os caracóis do mar, as conchas podem ser muito diferentes dependendo do habitat; por exemplo, a concha Nucella lamellosa é geralmente menos pontiaguda em águas rasas do que em águas profundas.

Nos animais endotérmicos, a conhecida como regra de Allen , afirma que a forma e a proporção do corpo variam em função da temperatura climática , reduzindo a superfície exposta em climas frios para diminuir a perda de calor. Essa regra seria responsável por animais equivalentes desenvolverem orelhas, caudas ou focinhos mais curtos e grossos em climas frios, e outros mais longos e finos em climas quentes.

A regra de Allen foi observada em experimentos com camundongos criados em baixas temperaturas que desenvolveram orelhas mais curtas.

Ecótipo

O termo ecótipo , às vezes chamado de eco-espécie, está relacionado ao conceito de eco-fenótipo, mas são duas coisas diferentes.

Um ecótipo é uma subpopulação de uma espécie que apresenta características genéticas diferentes como resultado da adaptação a condições ecológicas específicas, mas sem diferenças fenotípicas suficientes para ser classificada como uma subespécie .

Tanto o ecótipo quanto o ecofenótipo são devidos ao efeito das condições ambientais, mas apenas o ecótipo são adaptações genéticas hereditárias . Na biologia evolutiva, é geralmente considerado como um estágio do processo de especiação .

Ecótipos e variações ecofenotípicas podem freqüentemente causar confusão na classificação taxonômica, especialmente em fósseis e organismos pouco conhecidos.