A mirtazapina é usada em gatos para estimular o apetite.

Nas pessoas, a mirtazapina geralmente estimula o apetite. Também tem um efeito anti-náusea, reduzindo o vômito . Quando os gatos tomam a medicação, eles geralmente experimentam esses mesmos benefícios, então a droga pode ser útil quando os veterinários querem garantir que os animais mantenham a comida e a água no mínimo, ou quando o objetivo é ganhar ou manter o peso. Uma ampla gama de condições pode causar essa necessidade, mas doença renal , pancreatite e depressão são algumas das mais comuns. Em alguns casos, as pessoas usam este medicamento em animais de estimação por causa de suas propriedades antidepressivas.

Como funciona

A mirtazapina ajuda a estimular o apetite em gatos e reduz as náuseas.

A mirtazapina afeta os neurorreceptores do estômago e do intestino, dificultando a comunicação desses órgãos e do centro do cérebro do vômito . Ao mesmo tempo, no intestino, a serotonina , uma substância química frequentemente associada a sensações de relaxamento e conforto, está ligada à digestão adequada. Níveis elevados costumam desencadear diarreia como forma de o corpo se livrar das toxinas. Esta droga normalmente limita a atividade da serotonina no intestino, mantendo a digestão mais estável.

A insuficiência renal crônica afeta cerca de 20% dos gatos com mais de 15 anos.

Mesmo que essa substância reduza os efeitos da serotonina nos intestinos e no estômago, ela geralmente os amplifica no cérebro. Geralmente faz com que os níveis de norepinefrina, um neurotransmissor, também aumentem. Com um aumento desses produtos químicos para se sentir bem, o humor geralmente melhora. É por isso que os profissionais médicos o usam para tratar desequilíbrios emocionais.

Insuficiência renal crônica

A insuficiência renal crônica (IRC) ou doença renal afeta cerca de 20% dos felinos com mais de 15 anos. Os veterinários não sabem exatamente o que causa isso em muitos casos. Mesmo assim, eles acham que tumores, problemas genéticos, defeitos de nascença, infecções e danos por outros meios, como ferimentos ou envenenamento, podem estar relacionados ao problema.

Semelhante ao que acontece com as pessoas, quando os gatos sofrem de insuficiência renal crônica, eles geralmente não são capazes de filtrar os resíduos e as toxinas como deveriam. Isso pode levar ao desenvolvimento de anemia, desequilíbrios eletrolíticos e outras condições, que podem causar náuseas, vômitos e perda de peso. A mirtazapina para gatos costuma reduzir esses sintomas.

Pancreatite

A inflamação do pâncreas, chamada pancreatite, é outra doença felina que é um quebra-cabeça para os veterinários. Acredita-se que cerca de 10% dos casos estejam relacionados a infecções, parasitas, reações a certos medicamentos, genética ou traumas. Os outros 90%, no entanto, não têm uma causa identificável. Com essa doença, os gatos geralmente não vomitam, mas geralmente ficam muito letárgicos e perdem o apetite, ambos sintomas tratáveis ​​com mirtazapina.

Diabetes Mellitus

O diabetes é uma doença em que o corpo não produz insulina suficiente. Como resultado da baixa produção, ele não consegue metabolizar bem a glicose, então o nível de açúcar no sangue sobe. Afetando cerca de 1 em cada 400 gatos, a doença é inicialmente reconhecida por meio de um aumento no apetite, mas à medida que progride, o desejo de comer normalmente diminui. A perda de peso costuma ser uma preocupação em casos moderados a avançados, que às vezes também incluem vômitos. Os veterinários geralmente prescrevem mirtazapina para gatos quando outros medicamentos ou opções de tratamento não são capazes de manter a condição sob controle.

Letargia, depressão e ansiedade

Às vezes, os gatos ficam agitados, letárgicos ou deprimidos, seja por problemas de saúde ou por causa da idade. Os veterinários costumam usar mirtazapina para tratar esses problemas de humor por causa dos efeitos que tem nos produtos químicos do cérebro, com os efeitos colaterais de antináuseas e aumento do apetite geralmente vistos como benefícios secundários. Com os felinos, isso normalmente é revertido, mas como alguns deles ainda se beneficiam dos efeitos relaxantes da medicação, os veterinários ocasionalmente prescrevem-na para deixar os animais mais emocionalmente confortáveis.

Dosagem

A typical prescription for a cat is for one dose every three days. This is only an average, however, and the exact amount needed in milligrams can vary, depending on the animal’s age, current weight and health conditions. Veterinarians usually look at these factors before giving instructions to owners, and they typically make observations to see if the amount is effective. Making one or more adjustments is relatively standard, especially because a pet’s condition can get better or worse over time.

Overdose of mirtazapine for cats is relatively rare, given the twice-a-week dosing schedule and cautious approach of animal doctors. Still, human error occasionally happens, and cats can get into things they shouldn’t. An owner should immediately contact a veterinarian whenever she notices adverse symptoms or unexpected behaviors.

Side Effects and Warnings

Some people experience drowsiness and dry mouth when taking the drug, but whether these are common side effects for animals remains unclear. It typically isn’t an appropriate medication for felines that have liver or hyperthyroid problems, although it still sometimes can work in these circumstances if the veterinarian closely monitors the cat. Serotonin syndrome, a condition in which serotonin levels get too high, can occur. Symptoms include problems such as general hyperactivity, high blood pressure and heart rate, shivering and dilated pupils.

Although few drugs interact with this medication, amitraz, selegiline and fluoxetine are exceptions. When a cat has been prescribed one of these substances, it should not also take mirtazapine. Veterinarians typically check for potential interactions before writing a prescription, but this relies to a large degree on the owner confirming everything the animal currently is taking.