O metal mais abundante no planeta Terra é o ferro (Fe) , mas quase tudo está concentrado no núcleo, sendo o ferro também o metal mais abundante do Universo . Na crosta terrestre, entretanto, o metal mais abundante é o alumínio (Al) . O magnésio (Mg) predomina no manto .

Metais de casca

Medidos em porcentagem por peso, os metais mais abundantes na crosta terrestre são:

  1. Alumínio 8,2%
  2. Ferro 5,2%
  3. Magnésio 2,4%

O titânio viria a seguir com 0,61% e o manganês com 0,11%. Metais tão amplamente usados como zinco, cobre ou chumbo estão em quantidades inferiores a 0,08%.

Mas eles não estão distribuídos igualmente nos diferentes tipos de casca. O alumínio é mais abundante na crosta continental do que na oceânica, enquanto o magnésio é mais abundante na crosta oceânica.

Isso se apenas os metais forem levados em consideração. Se considerados todos os elementos, o elemento mais abundante na crosta terrestre é o oxigênio , com 46,1%, seguido do silício com 28,2% e em terceiro lugar já estaria o alumínio com 8,2%, que seria o terceiro mais abundante elemento e primeiro metal da crosta.

Metais de manto

O metal mais abundante no manto, a segunda camada da Terra, é o magnésio , que responde por até 23% da composição do manto , um aumento marcante em relação à crosta.

O ferro segue em quantidades semelhantes, mas com ligeiro aumento, em torno de 5,8%. O alumínio caiu para 2,2%.

Os principais metais do manto, em ordem de abundância, são:

  1. Magnésio 23%
  2. Ferro 5,8%
  3. Alumínio 2,2%

Por elementos, o oxigênio ainda é o elemento mais abundante, até 45%. Ele seria seguido pelo magnésio com 23%, depois pelo silício com 22%, ferro 5,8%, cálcio 2,3% e alumínio 2,2%.

Metais do núcleo

O núcleo é a camada mais profunda do planeta Terra. Começa a cerca de 2.890 km de profundidade e se estende por 6.371 km, onde estaria o centro planetário.

Acredita-se que o ferro seja o principal componente do núcleo e que sua proporção ultrapasse 80% , podendo chegar a 88,8% segundo algumas fontes. Seria seguido por outro metal, o níquel (Ni) , com 5,8%. O terceiro elemento mais abundante no núcleo é o enxofre (S) com 4,5%.

O acúmulo de ferro no núcleo deve-se possivelmente à segregação das massas por densidade ocorrida durante a formação do planeta, há mais de 4,5 bilhões de anos , e que empurrou o ferro, o níquel e outros elementos pesados para as camadas mais profundas.